Cantor Sertanejo, Maurílio, que faz dupla com Luiza, sofre parada cardíaca segue em estado Delicado.



Cantor Sertanejo, Maurílio, que faz dupla com Luiza, sofre parada cardíaca sofreu uma parada cardíaca nesta terça-feira (14). e segue internado em estado delicado em na UTI de um hospital de Goiânia.


De acordo com o colunista Leo Dias, o episódio aconteceu após o cantor voltar de uma viagem à trabalho. Em suas redes sociais, Maurílio fez um post sobre participação da dupla no DVD Não é o Fim do Mundo, de Zé Felipe e Miguel.


A assessoria do cantor confirma a internação e disse que em breve enviará boletim sobre o estado de saúde dele.


Segundo informações colhidas pelo portal: Caras UOL


"Ele desmaiou na gravação do DVD e foi para o hospital. Teve três paradas cardíacas e está super instável. A minha irmã está lá", disse Mariane, que é irmã da ex-BBB Marcela Mc Gowan, namorada de Luiza.


Ainda de acordo com Mariane, Maurílio segue sedado no momento. "Até agora tudo o que sabem é que não foi possível fazer exame porque o quadro é muito instável. Ele está anestesiado. A única coisa a fazer por ele agora é orar", lamentou.


Luiza e Maurílio ficaram conhecidos nacionalmente pela canção S de Saudade, lançada em 2019, com parceria da dupla Zé Neto e Cristiano. Eles também possuem músicas com Alcione, Marília Mendonça, Jorge e Gabriel Diniz


O que é uma parada cardíaca?


Parada cardíaca é a cessação da atividade mecânica do coração, que resulta na ausência de fluxo sanguíneo circulante. A parada cardíaca impede que o sangue flua para os órgãos vitais, privando-os de oxigênio e, se não tratada, resulta em morte. Parada cardíaca súbita é a cessação inesperada da circulação pouco tempo após o início dos sintomas (às vezes sem aviso). Parada cardíaca súbita fora do hospital ocorre em mais de 350.000 pessoas/ano nos EUA, com uma taxa de mortalidade > 90%.


Fisiopatologia da parada cardíaca

A parada cardíaca produz isquemia global com consequências em nível celular, que afetam adversamente a função de órgãos após a reanimação. As principais consequências envolvem lesão celular direta e formação de edemas.

Edema é particularmente danoso no cérebro, que tem espaço mínimo para se expandir, e frequentemente resulta em pressão intracraniana aumentada e correspondente diminuição da perfusão cerebral pós-reanimação.

Uma proporção significante de pacientes reanimados com sucesso apresenta disfunção cerebral de curta ou longa duração, manifestada por alteração do estado de alerta (desde leve confusão até coma), convulsões ou ambos.

A produção diminuída de ATP (adenosine triphosphate) leva a perda de integridade das membranas, com efluxo de potássio e influxo de cálcio e sódio.


O excesso de sódio causa edema celular. O excesso de cálcio danifica as mitocôndrias (diminuindo a produção de ATP), aumenta a produção de óxido nítrico (levando à formação de radicais livres lesivos) e, em certas circunstâncias, ativa proteases que danificam ainda mais as células.


O fluxo anormal de íons também resulta em despolarização de neurônios, liberando neurotransmissores, alguns dos quais são lesivos (p. ex., o glutamato ativa um canal de cálcio específico, piorando a sobrecarga intracelular de cálcio).


Mediadores inflamatórios (p. ex., interleucina [IL-1B], tumor necrosis factor [fator de necrose tumoral, TNF]-alfa) são elaborados; alguns deles podem causar trombose microvascular e perda de integridade vascular, com formação adicional de edema. Alguns mediadores desencadeiam apoptose, resultando em morte celular acelerada.


Um estudo nos estados unidos apontou que a cada 34 segundos uma pessoa sofre um ataque cardíaco e esta preparado para agir nessa hora é a diferença entre a vida e a morte de um paciente.



Conheça nosso curso de anatomia e fisiologia cardiovascular, onde você irá entender profundamente sobre as estruturas e funcionamento do musculo cardíacos e reconhecer os ritmos chocáveis e não chocáveis da parada cardíaca. clique aqui e saiba mais







3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Síndrome de Haff é uma patologia que pode progredir para um quadro grave – a rabdomiólise. Pacientes que apresentam essa síndrome relataram ter ingerido pescado nas últimas 24 horas. A sindrome de